top of page
Buscar
  • Foto do escritorRicardo Bernardo

Bayside Kings reflete sobre energias opostas da vida no EP Dualidade

Bayside Kings reflete sobre energias opostas da vida no EP Dualidade

Registro lançado via Repetente Records é a terceira parte do álbum conceitual #livreparatodos




Foto: Lucas Storache


As forças complementares da existência são escancaradas e dilaceradas em quatro novas músicas que a banda Bayside Kings apresenta no EP Dualidade, um lançamento de quatro faixas plurais, em termos sonoros e líricos, que chega às plataformas de streaming pelo selo Repetente Records (criado a administrado pelos músicos do CPM 22, Badauí e Phil Fargnoli, junto ao diretor artístico Rick Lion).

Ouça aqui Dualidade, o novo EP do Bayside Kings: https://ditto.fm/dualidade-livreparatodos.



É o terceiro fragmento, de quatro partes, que formarão o álbum conceitual #livreparatodos. Todas as faixas de Dualidade, como sugerem o nome do EP, tratam que antíteses, situações e posicionamentos contrários que, inevitavelmente, hora ou outra, colidem e colocam o indivíduo na encruzilhada: é preciso escolher um caminho, uma ideia, uma bandeira. (Des)obedecer, o primeiro single deste EP, é sobre romper limites e crenças que impedem o indivíduo de ser autêntico e seguir a vida por si. É um levante contra as amarras da sociedade e encorajar as pessoas a se posicionarem contra algo que não concordam. Entre a Guerra e a Paz traz em debate o conceito de 'os fins justificam ou meios' e incentiva o livre arbítrio, se desprender das amarras do julgamento alheio, mesmo que isso tenha o seu preço. Este foi o segundo e último single.

Já a inédita Na Dor/O Amor traz mensagens e reflexões sobre aprendizados de vida ao longo dos anos, alguns que vêm mais prazerosos, pelo amor, outros mais amargos, pela dor. O ponto de inflexão é entender qual caminho buscar a partir deste questionamento. A também inédita, e faixa que fecha o EP, Pare(Ser), critica como a imagem, para o sociedade de consumo, é mais importante do que o indivíduo realmente é. Vale mesmo a pena publicar em redes sociais cada passo ou, ainda, publicar tudo antes mesmo de se ter de fato a experiência? Melodias e agressividade

Dualidade mostra como o Bayside Kings amadureceu com precisão cirúrgica ao absorver influências de seus ídolos e transformá-las em músicas com o DNA do quinteto santista. Assim, Dualidade é um dos mais registros mais agressivos da carreira do Bayside Kings, ao mesmo tempo em que traz os refrões mais melódicos e riffs com cargas de hardcore, punk rock e até thrash metal. É, ainda, a consolidação da fase da banda com letras em português. Bayside e Repetente Records Dualidade reafirma um 2023 de bons resultados e novidades para o Bayside Kings enquanto parte do cast da Repetente Records. Afinal, Badauí foi quem sempre incentivou a banda a começar a compor em português. A visão do vocalista do CPM22 foi certeira. "Temos um grande objetivo para 2024 e o suporte da Repetente Records será fundamental para isso acontecer", comenta a banda.



Arte da capa: w.loud



1.(DES)OBEDECER

2.ENTRE A GUERRA E A PAZ

3.NA DOR / O AMOR

4.PARE(SER)


Ficha técnica Músicas produzida por Bayside Kings Letras: Milton Aguiar Músicas: Bayside Kings Gravado, mixado e masterizado por Estúdio TOTH Bayside Kings é: Milton Aguiar (vocal) David Gonzalez (bateria) Emanuel Filgueira (baixo) Matheus Santacruz (guitarra) Acompanhe a banda: https://linktr.ee/baysidekings


A mudança: letras em português O cenário sócio-político nacional de 2018, conta Milton, foi o ponto de partida para a mudança na forma de levar a mensagem do BAYSIDE KINGS. "O agora e o futuro daquele tempo demandava à banda atingir nosso público e ir além de quem já nos conhece, e com uma mensagem uniforme". As letras em português, portanto, é uma forma de conversa com outros públicos, outras culturas, além de estreitar a relação com a já sólida base de fãs e pessoas ligadas ao hardcore punk. "Queremos abrir novos campos de diálogo", revela o vocalista, que estudou as métricas do português para adequar a sua forma de cantar - bandas como Colligere e Mais que Palavras são algumas referências para este processo. O resultado está em Existência, em que cada palavra da música é entendida. "Um recomeço, com a experiência e maturidade de 10 anos. "Queremos coisas novas e esse é o momento ideal", completa Milton. Desta forma, a nova fase foi oficialmente inaugurada no segundo semestre de 2021 com o EP Existência. Ouça aqui: https://bfan.link/existencia-livreparatodos. Continuou em 2022, com o EP Tempo. Ouça aqui: https://bfan.link/tempo-livreparatodos.

Crédito: Jow Head



Selo Repetente Records A Repetente Records, criada e administrada por músicos da banda CPM22, Badauí, e Phil Fargnoli, surgiu em 2022 para fortalecer o rock/punk rock em parceria com uma das maiores distribuidoras de música digital do mundo, a inglesa Ditto Music, além de assessoria de imprensa da Tedesco Mídia. No início de 2023, o selo anunciou Rick Lion como diretor artístico. O nome tem tudo a ver com perseverança e persistência na música. Repetente tem a ver com a rebeldia contra padrões. Na escola, muitas vezes o aluno “repetente” é aquele que não se encaixa nos moldes, mas eventualmente encontra na música uma forma de vencer na vida. Ele repete não por incapacidade, mas por não ligar, não se interessar pelas mesmas coisas ou por estar enfrentando problemas maiores e mais urgentes fora da escola. Em vez de copiar a lousa, ele está sempre criando - fazendo desenhos, escrevendo rimas, bolando planos, fantasias impossíveis, se divertindo com uma realidade menos careta e injusta. Fazem parte do selo as bandas Anônimos Anônimos, Fibonattis, Faca Preta, Escombro, Chuva Negra, Magüerbes e Bayside Kings. Acompanhe o selo: www.instagram.com/repetenterecords.

Comments


bottom of page