top of page
Buscar
  • Foto do escritorRicardo Bernardo

CRYPTOPSY anuncia nova faixa/videoclipe "Flayed The Swine"

Banda canadense de metal extremo anunciou recentemente seu novo álbum de estúdio intitulado 'As Gomorrah Burns' que será lançado no dia 8 de Setembro pela Nuclear Blast Records.


As lendas do metal extremo canadense, CRYPTOPSY, revelaram hoje sua nova e absurdamente agressiva faixa "Flayed The Swine"! Música que será encontrada no primeiro álbum completo da banda em mais de uma década, 'As Gomorrah Burns', e que será lançado no dia 8 de setembro pela Nuclear Blast Records, o mais recente single dos influentes ceifadores da morte, "Flayed The Swine", é uma faixa acessível mas que derrete o rosto no instante que é ouvida, levando os ouvintes por um caminho sombrio e demente rumo à loucura. No verdadeiro estilo do CRYPTOPSY, a faixa é acompanhada por um videoclipe horrível e ensanguentado que apenas alimentará os pesadelos dos espectadores. Comentando sobre a nova faixa, o vocalista Matt McGachy diz: "'Flayed the Swine' é uma das músicas mais cativantes que já escrevi para o Cryptopsy. É brutal, cheia de seções massivas de groove e extremamente vulgar. Liricamente, concentra-se em um colapso mental, uma perda total de controle. Todos nós temos intenções obscuras, mas raramente as colocamos em prática. O protagonista, ao final da faixa, certamente deseja não tê-lo feito." Faça a pré-venda de ‘As Gomorrah Burns’ e ouça “Flayed The Swine” aqui: https://cryptopsy.bfan.link/flayed-the-swine.ema

Confiram a primeira faixa que promove o novo álbum 'As Gomorrah Burns' intitulada "In Abeyance" aqui: https://youtu.be/-uQXG3xLgAI




Tracklist 'As Gomorrah Burns':

  1. Lascivious Undivine

  2. In Abeyance

  3. Godless Deceiver

  4. Ill Ender

  5. Flayed The Swine

  6. The Righteous Lost

  7. Obeisant

  8. Praise The Filth

Sobre CRYPTOPSY: O gigante do death metal CRYPTOPSY retorna para esmurrar nossos sentidos coletivos novamente com seu novo álbum, As Gomorrah Burns. O primeiro deles pela gravadora Nuclear Blast, o quarteto de Montreal - apresentando o membro fundador/baterista Flo Mounier, o guitarrista Christian Donaldson, o vocalista Matt McGachy e o baixista Olivier "Oli" Pinard – continuam avançando no mercado musical com seu típico som extremo e celebram já 30 anos de história como uma das bandas mais renomadas em seu estilo. As explosões impiedosas de 'Lascivious Undivine' e 'Flayed the Swine' oferecem um CRYPTOPSY em sua forma mais intensa e maníaca, enquanto 'In Abeyance' e 'The Righteous Lost' abraçam um lado mais selvagem. 'As Gomorrah Burns' ressalta a alma do álbum favorito dos fãs – o intitulado None So Vile (1996) como também o meticuloso tecnicismo de And Then You'll Beg (2000) com uma vibração notavelmente sinistra. Formado em 1992, o CRYPTOPSY lançou oito álbuns de estúdio - contando com o As Gomorrah Burns - até o momento. Fora do padrão, a banda que é da cidade de Québec estabeleceu novos padrões para o death metal com seu ataque sem compromisso e musicalidade de um nível completamente novo. O álbum de estreia, Blasphemy Made Flesh, chocou todos que o ouviram, pois os sucessores None So Vile, Whisper Supremacy (1998) e Once Was Not (2005) posicionaram os canadenses como predadores de ponta. Ao longo de sua carreira histórica, o grupo embarcou em turnês de alto nível, como a turnê inaugural Death Across America em 1998, a Summer Slaughter Tour em 2008 e a turnê Devastation on the Nation em 2017. A banda já completou 1.000 shows em 47 países. O lançamento de As Gomorrah Burns pela Nuclear Blast reposiciona o CRYPTOPSY em seu domínio dentro de um estilo em que são mestres supremos - o death metal. As Gomorrah Burns não é apenas a continuação dos EPs The Book of Suffering - Tome I (2015) e The Book of Suffering - Tome II (2018). É um animal selvagem completamente diferente. Elaboradas ao longo de dois anos durante a pandemia, as sessões iniciais aconteceram em uma cabana nas florestas de Quebec. McGachy chama o cenário de terror de “surreal”, mas, como em tudo relacionado com o CRYPTOPSY, o processo de composição foi como esperado bem árduo. Donaldson foi o principal motivador por trás de As Gomorrah Burns. O guitarrista e produtor serviu como capataz e advogado, extraindo de seus companheiros de banda que no caso são McGachy, Mounier e Pinard tudo o que ele poderia retirar. Se CRYPTOPSY era formidável antes de As Gomorrah Burns, eles são absolutamente monstruosos agora. Conceitualmente, As Gomorrah Burns coloca a história bíblica de Sodoma e Gomorra contra a Internet moderna. A ideia de McGachy era mostrar como é o local de nascimento da invenção e uma fossa de exploração. As histórias são baseadas em incidentes da vida real - perseguidores online, cultos, desinformação, isolamento e intimidação - mas todas situadas em um ambiente tortuoso para aumentar sua potência. CRYPTOPSY contratou o artista italiano Paolo Girardi (POWER TRIP, TEMPLE OF VOID) para complementar os temas líricos do velho mundo. Se os mestres renascentistas Hieronymus Bosch e El Greco fossem lançados na mente moderna de McGachy, a impressionante capa de As Gomorrah Burns seria o resultado. Tal como acontece com The Unspoken King (2008) e o autointitulado (2012), CRYPTOPSY recrutou seu colega de banda Donaldson para dirigir a produção, mixagem e masterização de As Gomorrah Burns. Dom Grimard, famoso por Ion Dissonance, também entrou na produção. McGachy diz que o tempo no estúdio demorou muito mais do que o previsto, mas com a direção de Donaldson e todos finalmente na mesma sala novamente após a pandemia, CRYPTOPSY foi capaz de capturar vigor (e velocidade) recém-descoberta em As Gomorrah Burns. Faixas como 'Godless Deceiver', 'Ill Ender' e 'Praise the Filth' demonstram a maestria do death metal de Donaldson. Agressivo ao extremo, mas atencioso em sua totalidade, As Gomorrah Burns - com canções como 'In Abeyance', 'Flayed the Swine' e 'Lascivious Undivine' - perfura a normalidade completa e implacavelmente. Este é um death metal sem limites, do tipo que nosso mundo belicoso precisava e que somente o CRYPTOPSY poderia oferecer.

“Estamos de volta”, diz McGachy. “Quero que nossos fãs saibam que somos mais do que uma banda com um legado. Sim, tivemos muitos álbuns favoritos e cultuados - como None So Vile - mas estamos criando música extrema moderna e relevante 30 anos depois. Estamos muito orgulhosos de As Gomorrah Burns e mal podemos esperar para que você ouça!”

Comments


bottom of page